Deputada defende olhar humanizado aos pacientes com câncer

27
Ameaçando suspender os atendimentos por falta de pagamento, a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC) conta com o apoio da deputada estadual Larissa Rosado(PSDB) que tão logo soube do ocorrido, requereu ao Governo do Estado em caráter de urgência a regularização dos repasses para à Instituição.
Em 16 anos, a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer atendeu mais de 45 mil pacientes, salvando a vida de mulheres de pessoas.
No dia 11 de junho de 2018, a Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer emitiu em nota que paralisará os seus serviços de quimioterapia e radioterapia a partir da próxima segunda-feira, 18 de junho, devido à ausência de repasses feitos pelo Governo do Estado, dos meses de fevereiro, março e abril deste ano.
Referência no cenário nordestino em tratamentos oncológicos, a Liga é responsável por atender cerca de 200 pacientes oncológicos diariamente. “A paralização dos serviços da Liga é extremamente prejudicial a todo estado do Rio Grande do Norte, já que diversos pacientes ficarão sem assistência, além daqueles que estão em tratamento e terão de interrompê-los, podendo agravar cada vez mais o quadro de saúde dessas pessoas”, apela a deputada.
Levando em consideração a localização estratégica, a Liga atende pacientes de toda região, incluindo os estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, entre outros.
Atenta às demandas das pessoas que sofrem com o câncer, a deputada Larissa Rosado está sempre levando os pleitos da Liga de Estudos e Combate ao Câncer para discussão na Assembleia Legislativa. Sugeriu, inclusive, a realização de convênio com a Liga Norte Riograndense Contra o Câncer possibilitando os usuários da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN) a fazerem doações a instituição por meio da conta de água.
“Por ser uma instituição sem fins lucrativos, a Liga sobrevive de parcerias firmadas com instituições e órgãos das iniciativas pública e privada, que possibilitam a manutenção de seus serviços”, lembra a parlamentar, justificando a necessidade do convênio.