Filha de Dison se descompatibiliza e ele pode ser o terceiro estadual não candidato à reeleição

PORTALNOAR - Condenado por prática de improbidade administrativa, líder do governo na AL estuda lançar a filha candidata

84

O deputado estadual Dison Lisboa (PSD) analisa se será candidato à reeleição em 2018 e o seu Plano B já está definido. A filha do parlamentar, Anna Flávia Montenegro Lisboa, descompatibilizou-se da Câmara dos Deputados e está apta a concorrer no pleito que se aproxima. Outros dois deputados estaduais já confirmaram que não tentarão permanecer na Assembleia Legislativa.

A informação sobre a análise de Dison Lisboa foi confirmada pela assessoria do parlamentar. Anna Flávia, conhecida como Tuca, estava lotada no gabinete do deputado federal Fábio Faria (PSD), na Câmara dos Deputados, onde atuava como secretária parlamentar. Ela também é filiada ao PSD e se desligou antes do último sábado (7), prazo final para a descompatibilização, de acordo com a Justiça Eleitoral.

Dison foi condenado em outubro de 2017 em processo que apurou a prática de improbidade administrativa quando ele era prefeito da cidade de Goianinha. Atualmente, ele é o líder do Governo do Estado na Assembleia.

Outro deputado estadual que já comunicou que não será candidato à reeleição é José Adécio (DEM). Ele foi condenado à inelegibilidade pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em abril deste ano, por abuso de poder econômico e político. Gustavo Costa, filho do parlamentar, é filiado ao PSD e já se apresenta como pré-candidato a estadual.

Apesar da relação familiar, Gustavo entende a sua pré-candidatura como oxigenação. “O sentimento da população é de renovação. Coloco-me como opção de candidato novo, que agrega a experiência adquirida ao longo 20 anos de atuação profissional”, disse ele.

O terceiro deputado estadual que não vai concorrer à reeleição é Fernando Mineiro (PT), que já divulgou sua pré-candidatura à deputado federal. A decisão está em consonância com projeto do partido de recuperar cadeira na Câmara dos Deputados, ocupada até janeiro de 2015 pela senadora Fátima Bezerra (PT).

Ao fazer o anúncio, ele criticou a qualidade da maioria da bancada federal potiguar, que, em sua opinião, “não está nem aí para os problemas do RN”.