TRAGÉDIA – Acidente de transito deixa três vítimas fatais na BR 405 próximo ao IFRN

O sinistro ocorreu no KM 154,8  por volta das 18h50 envolvendo corsa classic, de cor preto e uma motocicleta…

PM, DPRE, Bombeiros e Samu no local…

PRF e ITEP foram acionados…

Um homem, uma mulher e uma criança foram a óbitos no local.

Vítimas  e condutor do veículos ainda não identificados.

Informações Nosso Parana

COVID: Brasil registra 1.086 óbitos e 80 mil casos nas últimas 24h; Total de 265 mil mortes e 11 milhões de infectados

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil neste domingo (7):

– O país registrou 1.086 óbitos nas últimas 24h, totalizando 265.411 mortes;

– Foram 80.508 novos casos de coronavírus registrados, no total 11.019.344 pessoas já foram infectadas.

– O número total de recuperados do coronavírus é 9.757.178, com o registro de mais 52.827 pacientes curados. Outros 996.755 pacientes estão em acompanhamento.

Abrasel-RN discorda de medidas que exijam suspensão de atividades e reitera que bares e restaurantes não são responsáveis pelo agravamento da pandemia

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-RN) emitiu nota em apoio às entidades do Turismo reiterando que é contra medidas de combate à pandemia que exijam a suspensão das atividades de bares e restaurantes, assim como reitera que estes estabelecimentos não são responsáveis pelo agravamento do quadro da pandemia no Estado.

Veja a íntegra da nota abaixo:

Informamos que a nota divulgada pelas entidades de Turismo na manhã de hoje (abaixo) não contou com nossa assinatura e apoio, como já o tem agora, por um único e simples motivo:

Nossa governança funciona no modelo de Conselho e assim, toda e qualquer decisão é decidida pelo grupo que o compõe, sempre buscando o consenso, o que em alguns momentos pode resultar em prazo não tão imediato para ser anunciada.

Estamos, assim, unidos e coesos, tanto internamente, quanto o estamos com as demais entidades que atuam no Turismo no Rio Grande do Norte. Por isso, a Abrasel reitera que bares e restaurantes que respeitam os protocolos de combate à Covid não são responsáveis pela intensificação da pandemia em Natal e nos demais municípios do Rio Grande do Norte.

Daí, discordarmos de toda e qualquer medida que venha ser adotada para o combate à pandemia que exija a suspensão de nossas atividades.

Natal, 7 de março 2021
ABRASEL
Paolo Passariello

VÍDEO: 30 pessoas são detidas por descumprimento do toque de recolher, em São Fernando, na região Seridó

Em São Fernando, município localizado na região do Seridó, 30 pessoas foram levadas pela Polícia Militar à delegacia regional em Caicó, por descumprimento do toque de recolher, determinado pelo decreto do Governo do Estado.

Segundo o decreto, o toque de recolher aos domingos é em período integral.

RN registra taxa de ocupação de leitos críticos para covid de 94%; Grande Natal tem 94,8%

A taxa de ocupação de leitos críticos das unidades públicas de saúde no RN é de 94%, registrada no fim da manhã deste domingo (7). Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 552.

Até o momento desta publicação são 18 leitos críticos (UTI) disponíveis e 282 ocupados, enquanto em relação aos leitos clínicos (enfermaria), são 51 disponíveis e 270 ocupados. Há 82 pacientes com perfil de leito crítico na lista de regulação para 18 disponíveis.

Segundo a Sesap, a Região metropolitana apresenta 94,8% dos leitos críticos ocupados, a região Seridó tem 80,6% e a Região Oeste tem 97,8%

RN contabiliza 16 óbitos por covid nas últimas 24h, sendo 8 dentro do dia; novos casos são 105

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus neste domingo (7). Foram mais 105 casos confirmados, totalizando 172.283. Até sábado (6) eram 172.178 infectados.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 3.734 no total, sendo 8 (oito) mortes registradas nas últimas 24h, em Natal (3), Mossoró (1) e Angicos (1), Carnaubais (1), Currais Novos (1) e Açu (1).

A Sesap ainda registrou 8 óbitos ocorridos em dias ou semana anteriores, após a confirmação de exames laboratoriais. Até sábado (6), eram contabilizados 3.718 mortos. Óbitos em investigação são 786.

Casos suspeitos somam 48.203 e descartados 371.338. Recuperados são 127.103 e acompanhamento estão 44.718.

Brasil registra mais de 10 mil mortes na pior semana da pandemia

Epidemias são gerenciadas a partir do que se convencionou chamar de semanas epidemiológicas. A partir do período de sete dias, os especialistas são capazes de mensurar a evolução da doença causadora e estudar as medidas que devem ser adotadas.

Pelos números do Ministério da Saúde, a nona semana epidemiológica de 2021, que começou no domingo (28) e terminou neste sábado (6), foi a mais fatal desde a chegada da Covid-19 ao Brasil. Nos sete dias, morreram 10.104 pessoas, enquanto outras 421.604 foram infectadas pelo novo coronavírus.

O número de mortes representa uma alta de 22,56% em relação à semana anterior, que ocupava o posto de mais letal até então, com 8.244 mortes. Já a oscilação dos novos casos foi positiva em 11,51%, superando a então pior semana, que havia sido a primeira de 2021.

Em entrevista à CNN neste sábado, a cardiologista Ludhmilla Hajjar afirmou que uma das possíveis causas do agravamento do panorama da pandemia são as novas variantes do novo coronavírus, que aparentam possuir uma característica mais transmissível.

“O que nós temos percebido é que, possivelmente, isso deva ser resultado dessa nova variante. É uma forma mais transmissível e, aparentemente, nós estamos tratando de uma doença que tem uma carga viral maior. Isso pode refletir em uma forma mais grave”, diz Hajjar.

Outros pontos de alerta para as novas variantes, sobretudo a P1, originada em Manaus, é a possibilidade de infectar mais pessoas mais jovens, que não foram consideradas em um ano de pandemia como sendo grupos prioritários para o tratamento da Covid-19.

A P1 tem a mesma mutação que a variante originada no Reino Unido, onde houve um aumento de casos graves da doença em crianças. Fenômeno semelhante já está sendo visto em São Paulo, com mais internações infantis por Covid-19 em hospitais públicos e privados.

CNN Brasil

Exportações do Brasil para a China crescem 12% em 2020

As exportações do Brasil para a China cresceram 12% no ano passado, de acordo com dados do Ministério da Economia.

Com o real enfraquecido, o preço das commodities brasileiras ficou atrativo para o país asiático. Por isso, a expectativa para 2021 é de crescimento ainda maior.

“É uma tendência que já existe há alguns anos e que será reforçada em 2021 porque o mercado chinês foi o primeiro a sair da crise gerada pela pandemia (de Covid-19)”, explica Fabio Silveira, diretor da MacroSector Consultores.

A expectativa de aumento em 2021 é de 18% na comparação com o total de exportações para o país asiático no ano passado.

Na Maersk, as exportações brasileiras para a China cresceram 27% em 2020. “Vejo um futuro de crescimento para o Brasil”, afirma Robbert van Troojien, vice-presidente da Maersk na América Latina e Caribe.

CNN Brasil

Estudo aponta que vacina de Oxford funciona contra variante de Manaus

Um estudo feito pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca aponta que a vacina de Oxford funciona contra a variante do coronavírus originada em Manaus, capital do Amazonas.

“Os resultados preliminares são bem adequados para P1. Indicativo que não necessita (de adaptação)”, disse ao Estadão um pesquisador brasileiro envolvido no estudo.

A pesquisa foi feita após envio de amostras pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que tem um acordo com Oxford/AstraZeneca e já começou a produzir a vacina. Existe até a previsão de que neste mês de março sejam entregues 3,8 milhões de doses ao Programa Nacional de Imunização (PNI). De acordo com a Fiocruz, a estimativa é produzir pelo menos 200 milhões de doses em 2021.

Segundo a AstraZeneca, estão sendo realizados estudos “para avaliar a resposta imune da vacina contra a variante P.1. Os dados serão publicados tão logo estejam disponíveis”.

“Acredito que até a semana que vem possamos ter a divulgação pública dos resultados”, afirmou a coordenadora dos centros de pesquisa da vacina de Oxford no Brasil, Sue Ann Costa Clemens. Ela disse que o artigo com os resultados já foi finalizado e está em processo de submissão para uma revista científica.

Família é mantida refém após casa ser invadida por bandidos em Touros

Cerca de nove homens armados invadiram uma residência na noite deste sábado (06), na praia de Carnaubinha, município de Touros, litoral Norte do Estado.

Os criminosos renderam as vítimas, mantiveram todas reféns e em seguida roubaram dois veículos e armas de fogo que faziam parte de uma coleção do dono da casa. De acordo com o relatório da Polícia Militar o bando estava fortemente armado e parecia saber que no imóvel existiam armamento especial, isso porque foram levados dois rifles calibre 44 e um fuzil calibre ponto 50.

Após o roubo a quadrilha obrigou as vítimas a seguirem com eles em dois veículos, uma Pajero e um Gran Vitara em direção a BR-101 onde foram deixadas logo depois.

Uma viatura do município de Rio do Fogo que fazia patrulhamento na área atendeu ao pedido de socorro das vítimas que ficaram no meio da estrada. Várias guarnições da PM estão em diligências na região com a finalidade de localizar e prender os criminosos.

Portal B.O.

Fecomércio RN afirma que é competência de municípios disciplinar horários de funcionamento de comércio, serviços e turismo

A Fecomércio RN divulgou uma nota onde afirma que a competência é dos municípios para disciplinar horários de funcionamento de comércio, serviços e turismo. Confira nota abaixo:

NOTA

A Fecomércio RN vem a público reiterar que, no seu entendimento e conforme orientação da sua assessoria jurídica e determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), é de competência dos municípios disciplinar horários de funcionamento das atividades de comércio, serviços e turismo nas cidades. A entidade repudia veementemente eventuais ações arbitrárias que venham a ocorrer por parte das forças de segurança, fechando estabelecimentos comerciais e constrangendo empreendedores, colaboradores e clientes

Variante brasileira da covid é mais transmissível e pode causar reinfecção

A variante brasileira do novo coronavírus – conhecida como P.1. ou variante de Manaus – provavelmente emergiu na capital amazonense em meados de novembro de 2020, cerca de um mês antes do número de internações por síndrome respiratória aguda grave na cidade dar um salto. Em apenas sete semanas, a P.1. tornou-se a linhagem do SARS-CoV-2 mais prevalente na região, relatam pesquisadores do Centro Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (CADDE) em artigo divulgado em seu site na 6ª feira (27.fev.2021).

As conclusões do grupo coordenado por Ester Sabino, da Universidade de São Paulo (USP), e Nuno Faria, da Oxford University (Reino Unido), se baseiam na análise genômica de 184 amostras de secreção nasofaríngea de pacientes diagnosticados com COVID-19 em um laboratório de Manaus entre novembro de 2020 e janeiro de 2021.

Por meio de modelagem matemática, cruzando dados genômicos e de mortalidade, a equipe do CADDE calcula que a P.1. seja entre 1,4 e 2,2 vezes mais transmissível que as linhagens que a precederam. Os cientistas estimam ainda que em parte dos indivíduos já infectados pelo SARS-CoV-2 – algo entre 25% e 61% – a nova variante seja capaz de driblar o sistema imune e causar uma nova infecção. O trabalho de modelagem foi feito em colaboração com pesquisadores do Imperial College London (Reino Unido).

“Esses números são uma aproximação, pois se trata de um modelo. De qualquer modo, a mensagem que os dados passam é: mesmo quem já teve COVID-19 precisa continuar se precavendo. A nova cepa é mais transmissível e pode infectar até mesmo quem já tem anticorpos contra o novo coronavírus. Foi isso que aconteceu em Manaus. A maior parte da população já tinha imunidade e mesmo assim houve uma grande epidemia”, diz Sabino à Agência Fapesp.

A pesquisa teve apoio da Fapesp e está em processo de revisão por pares.

Análises feitas pelo grupo em mais de 900 amostras coletadas no mesmo laboratório de Manaus, entre elas as 184 que foram sequenciadas, indicam que a carga viral presente na secreção dos pacientes foi aumentando à medida que a variante P.1. tornou-se mais prevalente.

De acordo com Sabino, é comum no início de uma epidemia a carga viral dos infectados ser mais alta e baixar com o tempo. Por esse motivo, os pesquisadores não sabem ao certo se o aumento observado nas amostras analisadas pode ser explicado por um fator meramente epidemiológico ou se, de fato, ele indica que a P.1. consegue se replicar mais no organismo humano do que a linhagem anterior. “Essa segunda opção parece bastante provável e explicaria por que a transmissão da nova cepa é mais rápida”, comenta a pesquisadora.

Outro estudo divulgado também na sexta-feira (27/02) por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Amazônia indica que em indivíduos infectados com a P.1. a carga viral no organismo pode ser até dez vezes mais alta.

No artigo do CADDE, os pesquisadores relatam que, até 24 de fevereiro de 2021, a variante P.1. já havia sido detectada em seis Estados brasileiros, que ao todo receberam 92 mil passageiros aéreos de Manaus em novembro de 2020. Desses, a maior parte teve São Paulo como destino (pouco mais de 30 mil). Na sequência vieram outras cidades do Amazonas, Pará, Rondônia, Ceará e Roraima. Segundo os autores, portanto, é provável que tenha havido múltiplas introduções da nova variante nesses Estados.

MUTAÇÕES-CHAVE

O sequenciamento do genoma viral das 184 amostras foi feito com uma tecnologia conhecida como MinION, que por ser portátil e barata possibilita fazer estudos que ajudam a entender o processo de evolução do vírus.

Por uma técnica genômica chamada relógio molecular, os pesquisadores concluíram que a P.1. descende da cepa B.1.128, que foi identificada pela primeira vez em Manaus em março de 2020. Quando comparada à linhagem-mãe, a variante P.1. apresenta 17 mutações, sendo dez na proteína spike – usada pelo vírus para se conectar com a proteína ACE-2 existente na superfície das células humanas e viabilizar a infecção.

Três mutações são consideradas mais importantes – a N501Y, a K417T e a E484K –, pois se localizam na ponta da proteína spike, em uma região conhecida como RBD (sigla em inglês para domínio de ligação ao receptor). É nesse local que ocorre a ligação entre o vírus e a célula humana.

Segundo Sabino, essas três mutações-chave são idênticas às encontradas na variante mais transmissível reportada na África do Sul (B.1.351). Já a variante de preocupação descoberta no Reino Unido (B.1.1.7.) apresenta apenas a mutação E484K na região RBD. Para os autores, os dados indicam ter havido um processo de evolução convergente, ou seja, determinadas mutações que conferem vantagem ao vírus surgiram paralelamente em linhagens de diferentes regiões geográficas. Por seleção natural essas variantes foram se sobressaindo às linhagens anteriormente predominantes nesses locais.

No caso da P.1., relatam os autores, houve um período de rápida evolução molecular e ainda não se sabe por quê. “Surgiram de repente várias mutações que facilitam a transmissão do vírus, algo incomum. Para se ter ideia, a cepa P.2., que também descende da B.1.128, apresenta apenas uma mutação desse tipo”, conta Sabino.

Uma das possíveis explicações para o fenômeno, segundo a pesquisadora, é o vírus ter tido mais tempo para evoluir ao infectar um paciente com o sistema imune comprometido.

“Até que vacinas eficazes estejam disponíveis para todos, as intervenções não farmacológicas [distanciamento social, uso de máscara e higiene das mãos] continuam sendo necessárias e importantes para reduzir a emergência de novas variantes”, ressaltam os pesquisadores do CADDE.

Com informações da Agência Fapesp

PODER360

Estados que alegam estar “no limite” aplicaram apenas 60% das vacinas recebidas

Apesar da carta em que se declararam “no limite”, os governadores de 14 Estados aplicaram só 60% das vacinas. Foram disponibilizadas aos Estados 6,07 milhões de vacinas, das quais resultaram aplicadas apenas 3,8 milhões, segundo a plataforma vacinabrasil.org, do Laboratório de Estudos Espaciais do Centro de Pesquisas Computacionais da Rice University, de Houston (EUA), que monitora a vacinação no mundo. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

No Piauí de Wellington Dias (PT), do Fórum de Governadores, foram aplicadas apenas 108,3 mil (53%) das 206,6 mil doses disponibilizadas.

No Maranhão do não menos falante Flávio Dino (PCdoB), foram 229.270 doses (51%) das 448.040 vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde.

Das 1.111.200 doses disponibilizadas para a Bahia de Rui Costa (PT), só 58% foram usadas. No Ceará do petista Camilo Santana, 437 mil (62%).

Subscreveram a carta quatro governadores do PT, três do PSB, dois do MDB, e um do PCdoB, PSDB, PDT, DEM e PSD.

DIÁRIO DO PODER

Secretaria de Saúde do RN publica normas para liberação de alvarás sanitários a estabelecimentos que comercializam água para consumo humano em todo o Estado

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP) e o Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte (IGARN), publicaram a Portaria Conjunta-SEI nº 5, de 4 de março de 2021, que trata, entre outras coisas, dos critérios de liberação do alvará sanitário para estabelecimentos que captam, armazenam, distribuem e comercializam água potável natural proveniente de soluções alternativas de abastecimento de água para consumo humano no Estado do Rio Grande do Norte.

Por meio da portaria, toda empresa ou pessoa física que desejar explorar recursos hídricos no RN deverá solicitar autorização ao IGARN, e aqueles que desejarem fornecer a água à população devem buscar alvará perante a vigilância sanitária de cada município.

A portaria traz ainda os critérios aplicáveis para captação, canalização, tratamento, controle de qualidade e distribuição da água.

Segundo o advogado Bruno Henrique do Nascimento, membro do Escritório Gurgel, Nascimento & Rocha Sociedade de Advogados e representante da Associação das Indústrias de Águas Envasadas e Adicionadas de Sais – ASSINDAE, “a medida já vem sendo esperada há bastante tempo. Algumas pessoas estavam fornecendo água de procedência duvidosa no mercado. A partir de agora, espera-se que a população potiguar seja beneficiada com a garantia de que está fazendo uso de água própria para consumo e que não ponha em risco a sua saúde”, afirmou.

Mesmo com ordem judicial, pacientes não conseguem leitos e aguardam atendimento em UPAs

A demanda de pacientes que necessitam de um leito de enfermaria ou UTI nos hospitais de Fortaleza para tratar a Covid-19 já é maior que a disponibilidade de atendimento. Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), mesmo pacientes com ordem judicial para conseguir internamento não recebem prazo para o fim da espera.

Manoel Gomes Rocha, 80 anos, está na segunda internação na UPA do bairro Edson Queiroz. Com diversas comorbidades, o caso grave de Covid-19 que ele apresenta precisa ser tratado em um leito de enfermaria. A filha de Manoel, Tereza Serra, conta que conseguiu a ordem judicial para a transferência, mas o caráter de urgência do mandado não foi cumprido.

“Ele passou, desta segunda internação, três dias sentado numa cadeira de medicação. Ele usa fralda, ele tem incontinência urinária. Eu tive que ir nesses três dias trocar a fralda do meu pai”. A primeira internação na UPA, segundo Tereza, melhorou o quadro do pai e ele recebeu alta. Porém, o período em casa só durou dois dias, sendo necessário voltar ao pronto atendimento e para a fila do leito.

“Eu não estou condenando, eu entendo a situação, só que meu pai já sofre há mais de 20 dias. Ele merece a chance como qualquer pessoa. A UPA não tem condições de oferecer o tratamento que ele precisa”, afirma.

“Eu já pedi a Deus que dê força pro meu pai porque acho que ele já aguentou muito. Uma pessoa de 80 anos ficar sentado três dias numa cadeira é humilhante demais. É dolorido pra gente, principalmente pra ele”, diz Gracineta Serra, também filha de Manoel.

Sem informações

A mãe de Regilane da Costa Pereira Barros (35) foi internada com Covid-19 no último fim de semana de fevereiro. Ela, também sentindo sintomas da doença, foi mandada procurar atendimento em um posto de saúde. Como os sintomas não melhoraram, Regilane passou uma noite inteira procurando vaga em uma UPA para ser internada. Desde o dia 2 de março, ela espera ser transferida para um leito de enfermaria.

De acordo com sua prima, Régia Gomes, mesmo com a determinação da Justiça do Ceará concedida nesta quinta-feira (4), Regilane ainda espera um leito, sem informações de quando poderá conseguir. “A gente entra em contato com ela e não vê melhora de nada. Eles não resolvem nada, não falam nada pra gente. A gente quer uma posição, ou então ela vai morrer lá”, diz Régia.

Respostas

Por meio de nota, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou que o paciente Manoel Gomes Rocha está “regulado na Central de Regulação de Leitos de Fortaleza, para internação em um leito de enfermaria, de acordo com a necessidade do seu quadro clínico”. A secretaria ainda ressaltou o boletim médico do paciente foi informado aos familiares, na sexta-feira (5).

A Secretaria  da Saúde do Ceará, também por nota, informa que a Central de Regulação do Estado recebeu a notificação nesta sexta-feira, 5 de março, e está em busca de leito de UTI para Regilane da Costa Pereira Barros.

Ocupação de UTIs e enfermarias

Em Fortaleza, de acordo com o sistema IntegraSus, da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), 87,81% das vagas de UTI estão ocupadas. Já as enfermarias têm taxa de ocupação de 91,53%. Os dados foram colhidos às 17h50min deste sábado (6).

DIARIO DO NORDESTE

Supermercados, feiras livres e farmácias: veja o que pode abrir no primeiro domingo com toque de recolher ‘integral’ no RN

Após o decreto publicado na última sexta-feira (6), o Rio Grande do Norte terá neste domingo (7) o primeiro dia de toque de recolher integral, de 24 horas, em todo o território estadual. Nos demais dias da semana, a circulação de pessoas fica proibida das 20h às 6h, a fim de evitar aglomerações e contaminação pelo novo coronavírus.

A divulgação da norma gerou uma grande movimentação nos supermercados da capital neste sábado (6), porém, os estabelecimentos que lidam com abastecimento de alimentação poderão abrir mesmo durante o período de toque de recolher. No entanto, o decreto não especifica como o cidadão vai comprovar que está se dirigindo para um serviço essencial.

Veja as atividades que podem funcionar durante o toque de recolher. Confira abaixo.

Podem funcionar:

  • Supermercados
  • Feiras livres,
  • mercados,
  • padarias
  • demais estabelecimentos voltados ao abastecimento alimentar,

De acordo com o decreto, esses estabelecimentos poderão funcionar aos domingos entre 6h e 20h, mas o consumo de bebidas e alimentos no local fica proibido. Veja o decreto na íntegra.

Também podem funcionar:

  • serviços públicos essenciais (saúde, segurança, entre outros);
  • farmácias;
  • indústrias;
  • postos de combustíveis;
  • hospitais e demais unidades de saúde e de serviços odontológicos e veterinários de emergência;
  • laboratórios de análises clínicas;
  • segurança privada;
  • imprensa, meios de comunicação e telecomunicação em geral;
  • funerárias;
  • exercício da advocacia na defesa da liberdade individual;
  • serviços de alimentação, exclusivamente para delivery;
  • serviços de transporte de passageiros;
  • construção civil, serviços de manutenção predial e prevenção a incêndios;
  • processamento de dados relacionados às atividades dispostas neste parágrafo;
  • preparação, gravação e transmissão de celebrações religiosas pela internet;
  • serviços de suporte portuário, aeroportuário e rodoviário;
  • cadeia de abastecimento e logística.

As medidas determinadas pelo decreto valem até o próximo dia 17 de março. Atualmente, estado tem uma ocupação de leitos acima de 93% e fila de espera por UTI maior que o número de equipamentos disponíveis na rede pública. A rede privada também está lotada.

O decreto também mantém proibição de realização de missas e cultos religiosos em formato presencial, além de aulas e funcionamento de parques públicos e outros estabelecimentos.

FEMURN sugere “lei seca” em substituição ao toque de recolher aos domingos

A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN) reconhece o momento grave que vive o Rio Grande do Norte diante do agravamento da pandemia do COVID-19 e a necessidade da adoção de medidas de distanciamento social, entretanto, sugere ao Governo do Estado que reavalie o “toque de recolher” decretado para domingo.

Além de ter já previsto várias exceções que comprometem a eficácia da medida, o maior objetivo é desestimular o consumo da bebida alcoólica e, consequentemente, aglomeração em bares ou festas privadas, algo possível de ser alcançado – nos próximos dois domingos – através da edição da “lei seca”, algo que ocorre nos períodos eleitorais com boa adesão da população.

Assim sendo, em atenção às atividades econômicas que ocorrem no final de semana e atentos aos protocolos de higiene, máscara e distanciamento social, a FEMURN submete ao Governo do Estado a sugestão de reexame da medida anunciada quanto ao “toque de recolher integral” no domingo.

MH

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

O consumidor, afetado pelo preço da gasolina, também está tendo dificuldades para recorrer ao substituto imediato nos veículos com motor flex. Motivado por uma combinação de entressafra e aumento de demanda, o preço do etanol hidratado acumula aumento de 21,1% desde janeiro, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O preço médio do litro do combustível saltou de R$ 3,221 para R$ 3,901, conforme o levantamento semanal da ANP. Apesar de ser mais cara que o etanol, a gasolina comum subiu menos: 14,6% de janeiro a março. O preço médio do litro da gasolina no país passou de R$ 4,622 para R$ 5,299.

No atacado, o aumento é ainda maior. Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o etanol acumula alta de 35% nas usinas do Centro-Sul, a principal região produtora do país.

Dependendo do modelo do veículo, o etanol torna-se vantajoso quando custa até ou menos que 75% do valor da gasolina. Segundo o levantamento da ANP, somente seis estados atingiram essa proporção na primeira semana de março: Goiás (68,9%), Mato Grosso (69,3%), Minas Gerais (72,8%), Amazonas (74,4%), Mato Grosso do Sul (74,7%) e Sergipe (74,9%).

Em alguns estados, o preço do etanol quase se iguala ao da gasolina. As maiores proporções foram registradas no Amapá (93,9%), Rio Grande do Sul (91%), em Santa Catarina (85,9%) e no Pará (83%).

Demanda e oferta

Mesmo com o etanol sendo desvantajoso na maioria dos estados, a demanda pelo substituto da gasolina está aumentando. De acordo com a edição mais recente do Boletim de Monitoramento Covid-19, do Ministério de Minas e Energia, o consumo de gasolina em 2021, até 23 de fevereiro, tinha caído 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Em contrapartida, o consumo de etanol hidratado subiu 6,1% na mesma comparação.

À demanda maior do etanol, somam-se fatores ligados à safra de cana-de-açúcar. A tradicional entressafra, no início do ano, encarece o etanol no primeiro quadrimestre. Neste ano, porém, a oferta continuará baixa por mais tempo.

Segundo a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Única), a safra deste ano deve atrasar por causa da estiagem no segundo semestre do ano passado no Centro-Sul. Com menos chuva na primavera, as plantações de cana estão levando mais tempo para se desenvolver, fazendo parte das usinas adiar a colheita que costuma ocorrer no início de abril.

Durante a entressafra, a produção de etanol de milho costuma substituir o combustível proveniente da cana-de-açúcar. O ritmo, no entanto, é insuficiente para repor a oferta. Até a metade de fevereiro, conforme o levantamento mais recente da Única, a produção de etanol acumulava 29,68 bilhões de litros, queda de 8,54% sobre os 32,45 bilhões de litros obtidos no mesmo período na safra 2019/2020.

Patu/RN: Mulher teria levado companheiro para o local onde ele foi assassinado

Na noite do dia 03 de março, última terça-feira, a pessoa de Jefferson Mateus Álvares Pinto, conhecido por “Bola”, de 21 anos, foi assassinado na cidade de Patu.

Após a ouvida de Rebeca Gizelly Azevedo Lira, de 22 anos, que mantinha um relacionado com a vítima, e que estava com ele no momento da investida criminosa, a mesma acusou Franklyn Alves Tavares, de 29 anos, que também já havia tido um relacionamento bem antes. Rebeca afirmou veementemente, ter reconhecido a pessoa de Franklyn Alves.

Após a lavratura do auto de prisão, o então acusado pela pessoa de Rebeca Gizelly, foi preso.

As diligências prosseguiram e a equipe da policia civil de Patu, chefiada pelo delegado Aroldo Chaves, diante da dubialidade encontrada no depoimento de Rebeca Gizelly, em comparação com o exame de corpo de delito da vítima e o resultado da perícia realizada no local, além do fato do então acusado está em outro local no momento do crime.

De pronto, avaliando todas as narrativas da mulher, os agentes da Polícia civil  chegaram a conclusão de que necessário seria a solicitação de pedido de prisão temporária e busca e apreensão na residência de Rebeca Azevedo.

O Poder Judiciário de pronto autorizou e os policiais civis cumpriram os mandados na manhã de ontem.

Conforme o apurado, Rebeca Gizelly teria levado Jefferson Mateus, “Bola”, para o local, e antes já teria ajustado com outro homem, a execução do mesmo.

Franklyn Alves foi posto em liberdade, por meio de relaxamento de prisão e a polícia civil está seguindo as pistas em busca do verdadeiro assassino.

Fonte: RN Política em dia

Brasil registra mais de 9,7 milhões de recuperados do coronavírus

O Brasil registrou neste sábado (6) mais 32.941 pacientes recuperados do coronavírus, totalizando 9.704.351 pessoas curadas da doença.

O número de pessoas curadas já representa 88,7% do total de casos acumulados.

A quantidade de pessoas curadas no Brasil é mais de dez vezes superior ao número de casos ativos (970.351), que são os pacientes em acompanhamento médico.

No mundo, estima-se que pelo menos 92,6 milhões de pessoas diagnosticadas com Covid-19 já se recuperaram, de acordo com o site Wolrdometers.