5G no Brasil vai trazer uma revolução também na meteorologia

O Brasil vai entrar no clima da tecnologia 5G nas próximas décadas e isto significa uma nova revolução e evolução na Meteorologia no país. Temos cada vez mais coisas conectadas à internet móvel. Você consegue imaginar a enorme quantidade de dados meteorológicos que poderá ser gerada em poucos minutos, com    celulares funcionando como pequenas estações meteorológicas, medindo continuamente a temperatura, a umidade, o vento?

É uma massa de dados tão grande que a tecnologia que temos hoje no Brasil não teria como captar, armazenar e fazer contas com tantos dados. Pois é aí que entra o tal do 5G: maior capacidade de armazenamento e processamento de dados.

O que muda na meteorologia com o 5G? Qual a importância da entrada do 5G para o trato com os modelos numéricos previsão de tempo e clima, por exemplo? Para começar a conversa, você sabe o que é o 5 e o G?

Para entender sobre o clima do 5G, o podcast ‘O Clima entre Nós’ conversou com Gustavo “Zang” Beneduzi. Ele é meteorologista e matemático de formação, pela Universidade de São Paulo e entende muito de tecnologia. Zang é um cientista de dados e trabalha atualmente no laboratório de pesquisa e desenvolvimento da Climatempo. A área de atuação do Gustavo é a melhoria dos modelos atmosféricos.

Você vai saber de coisas interessantes e curiosas como a “falta de uma fatia” na faixa de bandas do 5G. Foi para continuar medindo o vapor d´água!

Climatempo