Assassinos e estupradores soltos

Penitenciária feminina e Piraquara - Penitenciária central do estado do Paraná - oficinas de trabalho do detentos do sistema prisional do Paraná - presos trabalhando no presidio feminino e masculino - detentas na aficina de costura - agentes penitenciarios fazendo a segurança de cadeia - algemas nas mão de uma detenta - trabalho na cadeia - secretário segurança Júlio Reis e diretor do Depen, Luiz Cartaxo Moura, diretor do Depen em visita ao presidio de piraquara. unidades prisionais com oficinas de costura - horta no presidio - oficina de cerâmica - tornozeleira eletrônica -

Entre os 2,5 mil presos do Paraná que deixaram a cadeia com o pretexto da Covid-19, havia até, segundo o Ministério Público, criminosos perigosos que cometeram homicídios e estupros.

O G1 citou alguns casos aberrantes:

– “Um homem de 60 anos, de Bela Vista do Paraíso, no norte do Paraná, condenado pelo estupro de duas crianças, de seis e oito anos, sendo uma delas filha dele, teve a progressão de regime concedida por causa da idade.”

– “Um homem preso em Curitiba com posição de liderança em uma facção criminosa foi colocado em regime domiciliar no fim de março, mesmo não estando em grupo de risco. Ele foi condenado por crimes como roubo, porte de armas e organização criminosa.”

– “Um detento condenado pelos crimes de latrocínio e tráfico de drogas, com pena a cumprir de mais de dez anos, recebeu a progressão de regime em Maringá.”