Bolsonaro repete tática de Dilma e Sarney ao tentar controlar dados de desmatamento, diz Folha

4

O Blog apenas reproduz o material jorbnalístico repleto de opiniões publicado agora a noite pela Folha de S. Paulo em seu site. Confira abaixo…

A história se repete, agora como farsa. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) quer adiar a divulgação das taxas de desmatamento na Amazônia porque não gosta delas, mais uma prova de que nada conhece de ciência e nada aprendeu com a história.

O incômodo palaciano com dados da devastação apurados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) é antigo. No governo de José Sarney, quando a destruição da Amazônia se tornou um caso internacional, a tentativa pioneira foi de manipulação.

Em resposta a governantes europeus que o pressionavam pelas queimadas na floresta amazônica em 1988, Sarney divulgou que o desmatamento acumulado no Brasil era de 251,4 mil km2. Queria dizer que era pouco, só 5% da Amazônia Legal.

Reportagem de Maurício Tuffani na Folha, contudo, mostrou que a cifra omitia 92,5 mil km² de derrubadas no Pará e no Maranhão. Foi um escândalo, que contou com a ajuda da direção do Inpe.

Depois disso, o instituto se redimiu. Investiu em tecnologia de interpretação de imagens de satélite e tornou transparente a divulgação dos dados do sistema Prodes, publicados uma vez por ano.

A cifra anual pouco ajudava no trabalho de prevenção. Em 2004 começou a funcionar um sistema mais ágil, o Deter, para detecção do desmatamento em tempo real, fornecendo alertas de derrubadas a cada quinzena para o Ibama autuar quem estivesse destruindo floresta sem autorização.

Foi um enorme avanço, que contribuiu para derrubar as taxas de devastação, em conjunto com restrições ao crédito de proprietários faltosos. De mais de 27 mil km², em 2004, a devastação caiu para 4.500 km², em 2012.

Esse feito do governo federal credenciou o Brasil a receber parcelas do bilionário Fundo Amazônia, criado pela Noruega e alimentado também pela Alemanha. Nada disso teria sido possível sem os pesquisadores do Inpe ora sob ataque presidencial.

Com a chegada de Dilma Rousseff (PT) ao Planalto, as coisas começaram a mudar para pior. Ainda ministra-chefe da Casa Civil, ela passou a sabotar políticas da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que deixou o governo Lula em 2008.

Na cadeira de presidente, Dilma deu cada vez mais espaço para políticas a favor de ruralistas e sua agenda anti-amazônica. As taxas de desmatamento voltaram a subir, ainda que distantes do recorde de 2004.

Candidata à reeleição em 2014, Dilma partiu para a ignorância, como faz agora Bolsonaro. Sabia que a devastação em alta abria um flanco na sua imagem e determinou que a divulgação dos dados do Deter fosse adiada. Nova grita da parte da opinião pública, dentro e fora do país, que dá valor à floresta.

O atual ocupante do Planalto reedita agora a tática de ocultação de informações do governo do PT. Quer acesso antecipado aos dados, alegando que precisa deles para tomar providências.

Para evitar aumento da destruição, porém, as providências têm de vir antes dos dados que o atestam. E o que o governo de Bolsonaro tem feito até aqui, sobretudo no Ministério do Meio Ambiente sob Ricardo Salles (Novo), só tem contribuído para que as taxas subam.

Folhapress

A Pointe Celular dispõe de um técnico especializado e certificado com selo ASTEC-RN, capacitado para sempre solucionar todos os problemas dos nossos clientes!
Entre em contato: (84) 9.8146-4720