Caixa leva auxílio emergencial a 67,7 milhões de brasileiros e paga R$ 231 bilhões

Às vésperas de completar 160 anos, a Caixa Econômica Federal recebeu uma missão inédita, à altura do momento histórico mais grave das últimas décadas: pagar em tempo recorde o auxílio emergencial a milhões de brasileiros que tiveram sua sobrevivência ameaçada pela pandemia do novo coronavírus.

O resultado foi a maior ação de inclusão bancária e social da história do Brasil. O banco levou as parcelas do auxílio emergencial acerca de 1 terço da população. Os números foram grandiosos. Foram pagos R$ 231,2 bilhões a 67,7 milhões de beneficiários.

O processo se deu em tempo recorde. A lei 13.982/2020, que instituiu o auxílio, foi sancionada em 2 de abril. Os pagamentos começaram em 9 de abril. Em poucos dias, já havia milhões de novos cadastrados.

Muitos dos beneficiários já eram clientes, assistidos pelo programa Bolsa Família. Mas a surpresa maior estava por vir: outros 38 milhões de “invisíveis” que tinham direito ao benefício criado pelo governo federal mas não constavam de nenhum dos cadastros oficiais. Era preciso identificar, cadastrar e incluir rapidamente esses brasileiros, dar-lhes cidadania e garantir dignidade a suas famílias durante a travessia da crise sanitária e humanitária.

Na tentativa de evitar uma corrida ainda maior às agências, foi lançada a Poupança Social Digital e foram adicionados novos serviços ao aplicativo Caixa Tem, na maior ação de inclusão bancária e digital do país. Essas ações coordenadas permitiram aos beneficiários utilizar o dinheiro de forma virtual para pagamentos e compras, sem a necessidade de ir à rede bancária ou carregar cédulas e moedas.

O número de funcionários nas agências foi aumentado, os horários de funcionamento foram ampliados, abrindo também aos sábados. As agências móveis, em barcos e caminhões, também ampliaram o atendimento para chegar às populações mais remotas. Em paralelo, foi redobrado o investimento e trabalho no combate às fraudes.

Para chegar ainda mais perto das pessoas entrou nas maiores favelas do país, funcionários da Caixa percorreram mais de 2.000 municípios com carro de som, abordaram os potenciais beneficiários em ônibus e terminais de transportes, bateram de porta em porta, chegaram pelo celular dos clientes. Seis meses depois, o desafio foi cumprido. Nesse período, 8 de cada 10 brasileiros adultos receberam algum dos benefícios emergenciais pagos pela Caixa, como auxílio, crédito ou o FGTS emergencial.

O que a Caixa fez não tem paralelo no mundo. Hoje, nenhum outro país tem um sistema de pagamento tão rápido, tão eficiente e a um número tão grande de pessoas”, diz o presidente do banco, Pedro Guimarães.

Conheça outros recordes do programa:

PODER 360