Consumo de gás de cozinha no RN cai ao menor nível em 9 anos

O consumo residencial de Gás Liquefeto de Petróleo (GLP) no Rio Grande do Norte, o botijão de gás, apresentou o menor consumo num intervalo de nove anos, segundo dados de um estudo feito pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Em 2020, o consumo foi de 176 mil m³ do gás, queda de 9% em relação a 2019, quando o consumo foi de 194 mil m³. Os constantes aumentos no preço podem ser um fator para a redução nesse consumo.

O presidente do Sindicato das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo do RN (Sindigás/RN), Francisco Corrêa, explica que o preço do gás e  mudanças na importação do produto no RN podem ser fatores que fizeram o consumo no RN ser o menor desde 2011. Há 10 anos, segundo ele, o GLP consumido no RN era 100% produzido no Estado. Atualmente, o índice é de 35%, sendo o restante do gás importado do Ceará e Pernambuco.

“Um dos maiores fatores do gás do RN ser um dos mais caros do Nordeste é que não temos mais produção. O frete encarece demais. Não temos um porto”, comenta. Ele explica que a redução no consumo de 2021 em relação a 2020 esperada pelo Sindigás é de 12% a 15%.  Veja a matéria completa na Tribuna do Norte.