Essa será a CPI das CPIs e não acabará em pizza, diz Omar Aziz

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, Omar Aziz (PSD-AM), disse em entrevista à CNN nesta quarta-feira (28) que a investigação será histórica, mas, para isso deve se ater à proatividade em busca de respostas para garantir que o assunto não seja esvaziado e deixe de responsabilizar os culpados ao final dos trabalhos, como teria acontecido em outros momentos.

“É a CPI das CPIs. É completamente diferente”, afirmou o senador. “Antes, quando abria uma CPI estancava os desvios, a abertura da CPI da Covid-19 não estanca o vírus”. Aziz defendeu que a comissão atue de forma célere, se desvencilhando de debates políticos, para formular soluções e gerar responsabilização dos envolvidos nos desvios e impulsionamento das mortes.

“Eu, como presidente da CPI, quero uma comissão extremamente técnica. Não quero levar para o campo político porque isso não vai trazer ninguém de volta e muito menos vai ajudar a salvar vidas que poderão se perder durante a pandemia”, disse.

O senador afirmou que o plano de trabalho será definido na quinta-feira (29), com a análise dos requerimentos. No entanto, antes da definição das pautas pelo colegiado, Aziz disse que as primeiras pessoas a serem ouvidas serão os gestores públicos que ocuparam o cargo de ministro da Saúde.

“Não dá para acabar em pizza uma CPI com 400 mil óbitos e que no curso dela chegará a 500 mil mortes (…) Não dará em pizza”, afirmou Aziz. O senador cobrou o envolvimento da sociedade cientifica no acompanhamento dos trabalhos para garantir que as respostas necessárias sejam apresentadas no combate ao vírus.

Após instalação da CPI, a mesa que coordena os trabalhos recebeu 173 requerimentos de parlamentares para estabelecer os focos de interesse da investigação. Os pedidos protocolados cobram, dentre outras coisas, informações sobre aquisição de vacinas, EPIs (equipamentos de proteção individual), “kit intubação”, oxigênio, recursos empregados na abertura de leitos e permissão para que a cloroquina fosse distribuída e usada no chamado tratamento precoce da doença — o medicamento não possui comprovação científica da eficácia contra o coronavírus.

Omar Aziz fez críticas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pelas declarações dadas pelo membro do governo, que geraram um impasse diplomático com a China por insinuar que o país teria “inventado o coronavírus”.

Para Aziz, o ministro “dá um tiro na relação” com o país asiático, que é o principal fornecedor de insumos para produção de vacinas no Brasil e abastecimento do Programa Nacional de Imunizações (PNI). A Coronavac — vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biontech — é o imunizante utilizado em 8 em cadas 10 pessoas vacinadas no país.

“Não expor a economia é muito importante, mas vem um ministro da fazenda [economia], que tecnicamente entende de vacina como entende de foguete – o Paulo Guedes não entende absolutamente nada de vacina para dizer se esse imunizante é bom ou não – e dá um tiro numa relação com a China que nos mantém com os insumos para produzir a vacina no Butantan”, afirmou Aziz. “Vejo como um gracejo do ministro Paulo Guedes nessa conversa de butiquim”.

Aziz disse ter discutido com os integrantes da comissão para evitar a convocação do ministro da Economia para prestar depoimento no âmbito da investigação. Segundo o senador, a retirada do nome de Guedes da agenda inicial teve o objetivo de “preserva a bolsa de valores, os investimentos internacionais, a economia brasileiras”.

“Foi pensando no Brasil que eu defendi que o ministro deveria ser preservado, mas as pessoas não me entenderam. Eu, como presidente, preciso ter um equilíbrio entre a economia e saúde. Não posso colocar tudo a perder”, disse.

CNN Brasil