Governadores vão discutir vacinação com ministro

Os governadores esperam definir um cronograma de vacinação contra o coronavírus em uma reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta terça-feira, 12. Coordenador da articulação do Fórum Nacional dos Governadores sobre a Covid-19, Wellington Dias (PT), que é governador do Piauí, afirmou que os Estados vão pedir ao governo federal que a campanha inicie em uma mesma data nos 26 Estados e no Distrito Federal.

“Estou esperançoso que vamos sair desta agenda com uma data para iniciar a vacinação nas 27 Unidades da Federação, dependendo da liberação da Anvisa, de 22 a 27 de janeiro”, disse Dia. No fim de semana, o ministério da Saúde reafirmou que a vacinação será simultânea em todo o País.

“Confiamos que será possível marcar essa data nacional, fazendo com que todos os estados comecem no mesmo dia, para acabar com qualquer disputa sobre quem vacina primeiro. É do interesse da população brasileira que o programa seja nacional e simultâneo”, comentou. Durante a reunião com Pazuello, os governadores devem pedir para incluir equipes na rede pública e orientar a população sobre possíveis efeitos colaterais da vacina.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia autorizar o uso emergencial de imunizantes, o que garante o início da campanha em grupos prioritários antes da conclusão dos estudos. A agência começou a analisar o pedido feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para o produto desenvolvido pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca.

Por outro lado, a Anvisa informou que não recebeu todos os documentos necessários do Instituto Butantan para analisar a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o instituto paulista. Para Wellington Dias, que também é presidente do Consórcio Nordeste, Fórum que reúne os governadores dos estados da região, foram dados “passos importantes” na última semana, mas é preciso organizar um observatório nacional para o coronavírus com mutação, em coordenação com os Estados, e ainda articular uma rede de comunicação para evitar “informações distorcidas”. O Ministério da Saúde do Japão anunciou neste domingo, 10, que uma nova variante do vírus foi detectada em quatro viajantes brasileiros, do Estado do Amazonas.

O governador do Piaui vai propor a criação de um observatório para acompanhar os casos de mutação do coronavírus no Brasil: “Já vamos ter um observatório para acompanhar as pessoas vacinadas depois da imunização, e agora estamos propondo também um o “Já vamos ter um observatório para acompanhar as pessoas vacinadas depois da imunização, e agora estamos propondo também um observatório para acompanhar a mutação do vírus. Isso é importante para termos trabalhos de prevenção”.

Educadores
A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), vai participar da reunião por videoconferência com o ministro da Saúde, na tarde de hoje. Por intermédio da assessoria de imprensa, a governadora informou que vai ratificar o pedido ao ministro Pazuello, sobre a inclusão dos professores entre os grupos prioritários de pessoa que serão vacinados inicialmente no Programa Nacional de Imunização contra a Covid-19.

Além do ministro Eduardo Pazuello e dos governadores, devem participar da reunião de hoje, por videoconferência, representantes da Anvisa, da Fiocruz, do Instituto Butantan, do Supremo Tribunal Federal (STF), da Câmara dos Deputados, do Senado da República e dos conselhos nacionais de secretários estaduais e municipais de saúde.

Após as aprovações das vacinas do Fiocruz e da Instituto Butantan, o governador Wellington Dias estima que haverá doses suficientes para cumprimento da primeira etapa do programa de imunização dos grupos de risco até abril, atendendo cerca de 42 milhões de brasileiros.

“Haverá uma primeira fase dentro da primeira etapa de vacinação, que deve ocorrer em janeiro e fevereiro, e as cerca de oito milhões de doses que já estão garantidas serão suficientes para atender esse público, que inclui, por exemplo, profissionais de saúde e idosos acima de 75 anos”, avaliou Dias.

TRIBUNA DO NORTE