Juíza aceita denúncia e médium João de Deus vira réu por abusos sexuais em Abadiânia

G1 - Ele está preso no Núcleo de Custódia e nega as acusações. Polícia está fazendo novo interrogatório sobre o crime de posse de arma de fogo.

22

A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos aceitou a denúncia contra João de Deus e, com isso, ele passou a ser réu pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual. Ele foi acusado por dezenas de mulheres de cometer os abusos durante tratamento espiritual na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde fazia atendimentos. O médium sempre negou os crimes. A informação foi confirmada com exclusividade à TV Anhanguera.

Em nota, o advogado Alberto Toron, que defende o médium, disse que ainda não tem conhecimento da decisão. “De qualquer modo, é importante esclarecer que se trata de uma decisão provisória, sujeita à confirmação após a apresentação da resposta à acusação. Estamos serenos e confiamos na justiça”, disse.

Toron esclareceu ainda que, a partir de agora, o médium será citado e, a partir desse momento, começa a correr o prazo de dez dias para a apresentação da resposta da defesa. Nesse momento, além de poder rebater a acusação formulada pelo Ministério Público, será possível listar testemunhas.

A assessoria de imprensa do Tribuna de Justiça explicou que a juíza não vai divulgar detalhes do processo, pois o caso é sigiloso. O caso envolve quatro vítimas, com relação aos crimes de violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável.

João de Deus, que está preso desde 16 de dezembro no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia, está sendo ouvido nesta quarta-feira (9) em outro caso: por posse ilegal de arma. A investigação foi aberta pela Polícia Civil após serem encontrados revólveres e pistolas na casa dele durante operações de busca e apreensão.

A delegada Karla Fernandes, que coordena a força-tarefa, chegou por volta das 11h20 ao Núcleo de Custódia. A corporação não divulgou detalhes sobre o interrogatório, que durou cerca de 2h. Esta é a segunda vez que o médium é ouvido pela polícia.