Preso que respondia por estupro é morto dentro do Complexo de Delegacias Especiais de Fortaleza

G1CE - Houve um princípio de rebelião. Detento cumpria pena pelo crime de estupro de vulnerável ocorrido no Estado de São Paulo.

Princípio de rebelião foi registrado no início da manhã desta terça-feira, no Complexo de Delegacias Especializadas. — Foto: Darley Melo/TV Diário

Um homem que respondia por estupro e estava preso no Complexo de Delegacias Especiais de Fortaleza (Code) foi assassinado no início da manhã desta terça-feira (25), dentro da unidade. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSPDS), houve um princípio de rebelião dentro do Code.

Conforme a Secretaria, durante os trabalhos para a contenção dos internos, os policiais encontraram o preso em óbito, com lesões decorrentes de objeto contundente. “Ele foi morto segundo levantamentos da perícia por uma barra de ferro. Agredido também com pedaços de parede e também com chutes e pontapés”, detalhou o diretor do Departamento de Polícia Especializada, Pedro Viana.

A vítima foi identificada como Cleber Augusto de Oliveira, de 53 anos, cearense que cumpria pena por crime de estupro de vulnerável ocorrido no Estado de São Paulo. O diretor de Departament de Polícia disse ainda que o crime ocorreu entre 4h e 4h30 da manhã e que, no momento do tumulto, o Code abrigava 117 detentos. “Nossas equipes de plantão foram surpreendidas com o início de rebelião. Eles acionaram a Unidade Tático Operacional e conseguiram controlar a situação”, afirmou.

Celas quebradas e tentativa de fuga

Os detentos danificaram as celas na tentativa de fugir, mas não tiveram êxito, de acordo com a SSPDS. Equipes da Divisão de Serviços Gerais (Diseg) da Polícia Civil estão no Code para realizar reparos nas celas e reforçar a estrutura dos xadrezes. A Polícia Civil informou ainda que solicitou novas vagas à Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) para realizar a transferência de presos do Code para unidades do sistema prisional do Estado.

A confusão foi contida por policiais civis da Unidade Tático Operacional (UTO) e policiais militares do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque).