Veja nas Paginas dos Jornais do RN

Anúncio no corte de ponto é encarado pelos servidores como forma de pressão
De acordo com Anselmo Carvalho, desconto poderá ser feito já na folha de pagamento de junho; categorias pretendem manter paralisação
Postado em 23/06/2011 às 08:54 horas por Mário Gerson na sessão Cidades
O anúncio, por parte do Governo, no corte dos servidores em greve foi encarado pelas categorias como uma forma de pressão para que as atividades sejam retomadas. No entanto, mesmo diante da medida, representantes de sindicatos afirmam que as bases não pretendem recuar e devem manter a paralisação.
O secretário Estadual de Administração e Recursos Humanos do Estado, Anselmo Carvalho, confirmou a informação e disse que, provavelmente, o desconto estará presente na folha de pagamento do mês de junho. Segundo ele, o chefe do Gabinete Civil do RN, Paulo de Tarso, vinha comunicando a decisão desde o fim da semana passada, através de entrevistas, comentários e até de informações aos sindicatos.
 De acordo com o coordenador do Sindicato dos Servidores da Administração Indireta (SINAI), Hermes Oliveira, os servidores não esperavam a decisão após o encontro da segunda-feira, 20, realizado em Natal, quando os representantes sindicais se reuniram com a Assembleia Legislativa, e foi deliberado que o Governo não voltaria a bater na tecla da inconstitucionalidade da greve e não faria retaliação aos servidores. Em contrapartida, os sindicatos se comprometeram em reaver os pontos de pauta e assim o fizeram.
“É uma surpresa agora”, diz o coordenador do Sinai, que acredita que a atitude seja uma forma de pressão. Mesmo assim, ele menciona que em reunião com Detran, Emater e Fundação José Augusto foi decidido que a greve continua. Hermes Oliveira acredita que as categorias não vão ceder.
Anselmo de Carvalho nega que a medida seja uma estratégia para pressionar os servidores públicos do Estado. “Isso não é estratégia, é uma posição que o governo entende como justa, em respeito a quem está trabalhando”, afirma.
 Com relação à justificativa para a medida, o secretário afirma ainda: “O não pagamento dos dias parados é uma consequência da greve e quem faz greve sabe disso”, acrescenta. Apesar da medida, o secretário afirma que o governo respeita o movimento grevista realizado pelos servidores do RN.
Com informações da repórter Luciana Araújo
Leia matéria na íntegra na edição de hoje da GAZETA DO OESTE – caderno Mossoró